Onde encontrar os melhores fundos de investimento?

Escala é um fator importante no negócio de gestão de recursos de clientes. Quanto maior o volume de ativos que uma empresa administra, menor tende a ser o custo dos produtos oferecidos como proporção dos ativos totais. A consequência para o investidor que aplica nos fundos daquela gestora é uma melhor relação entre risco e retorno para suas economias.

Isso acontece porque a estrutura necessária para administrar, por exemplo, R$ 1 bilhão não muda muito caso o montante aumente para R$ 5 bilhões.

Para entender o raciocínio, suponha que os custos anuais da gestora sejam de R$ 10 milhões. Se o volume total sob gestão for de R$ 1 bilhão, a taxa de administração de equilíbrio seria equivalente a 1% ao ano sobre o valor dos ativos.

Considere, agora, que o patrimônio do fundo aumentou para R$ 5 bilhões. Nesse caso a gestora poderia reduzir a taxa de administração para 0,25% ao ano e ainda assim aumentar em 25% os ganhos em relação à situação inicial.

ArquiteturaAberta

A redução dos custos cobrados pela gestão dos ativos tem impacto direto sobre a rentabilidade do investidor. Imagine um fundo que acompanhe um determinado indicador com expectativa de ganho de 10% no período de um ano. Com taxa de administração de 1% ao ano, o ganho do investidor será de 9%, equivalente a 90% da variação do índice de referência.

Mas se a taxa de administração do fundo cair para 0,25% ao ano, o ganho esperado será de 9,75%, equivalente a 97,5% do parâmetro. É uma diferença significativa.

No Brasil, cerca de 60% dos ativos aplicados em fundos de investimento estão nas mãos dos três maiores administradores: Banco do Brasil, Itaú Unibanco e Bradesco. Nos Estados Unidos, os três maiores gestores possuem pouco menos de 40% de participação de mercado. Os dados são da Morningstar.

Apesar da maior concentração do mercado brasileiro, as taxas de administração dos fundos de investimento no país são maiores do que nos Estados Unidos. Especialmente para os investidores de varejo.

A justificativa dos grandes bancos é que o volume total de recursos no Brasil é significativamente menor do que o existente no mercado americano, o que reduziria os ganhos de escala. Além disso, os custos no país, representados por tributos, exigências da legislação e manutenção dos canais de distribuição são mais elevados. A comparação entre o mercado brasileiro e o americano, portanto, não seria justa.

Mais importante do que discutir a validade dos argumentos dos bancos é avaliar a evolução dos mercados aqui e lá fora. O Fórum Morningstar de abril, evento realizado periodicamente que reúne especialistas do setor, abordou as tendências na distribuição de fundos.

Existem duas formas de comercializar fundos de investimentos. Uma é por meio da arquitetura fechada, assim chamada porque nessa modalidade uma instituição oferece apenas as carteiras que ela própria administra.

A outra maneira é a arquitetura aberta, na qual diversos distribuidores comercializam uma gama variada de produtos financeiros administrados por várias instituições. O conceito é semelhante ao de um supermercado, onde o investidor pode encontrar em um único local todas as aplicações que está buscando.

Nas últimas décadas aconteceram mudanças drásticas na forma como os fundos são adquiridos pelos clientes nos EUA e Europa. No passado existia somente a arquitetura fechada. Hoje há a predominância da arquitetura aberta, com a participação expressiva de diversas corretoras “online” e cerca de 300 mil agentes autônomos de investimento interagindo com os clientes.

Além disso houve o crescimento da remuneração dos assessores de investimento diretamente pelos clientes com base em comissões sobre a prestação de serviços de consultoria, em oposição ao tradicional esquema de rebate de parcela da taxa de administração dos produtos comprados pelo investidor.

Com a evolução do mercado a regulamentação passou a dar mais ênfase na responsabilidade fiduciária dos assessores de investimento e demais profissionais envolvidos na assessoria de clientes.

O resultado foi uma mudança radical na relação dos maiores gestores. Da lista dos cinco maiores em 1986, apenas uma empresa, a Fidelity, continua no grupo em 2016. Essa mudança tende a se repetir no Brasil.

Hoje os grandes bancos de varejo já oferecem produtos de outros gestores em suas plataformas para clientes do private banking. Recentemente o Itaú começou a oferecer as mesmas facilidades para os clientes de alta renda.

A tendência é que em breve outros bancos de varejo sigam o exemplo e produtos de terceiros comecem a ser disponibilizados também no varejo. A arquitetura aberta será o padrão.

E para navegar com segurança nesse novo ambiente, o investidor irá demandar assessoria de qualidade, educação financeira e compreensão sobre o valor adicionado dos profissionais envolvidos na gestão de recursos.

Os cuidados para escolher um fundo de ações

Nos últimos 24 meses, de abril de 2015 até março de 2017, o rendimento do Ibovespa foi de 27%. No entanto, a trajetória do índice no período foi marcada por altos e baixos expressivos.

No pior momento, entre maio de 2015 e janeiro de 2016, o indicador chegou a registrar perdas de 28%. Depois, iniciou um intervalo de seis meses de ganhos até julho de 2016 que resultou na reversão dos prejuízos acumulados anteriormente. Desde então foram cinco meses de fechamento no território positivo e três no negativo.

ArteFortesOscilacoes

O investidor em fundos de ações também vivenciou essas mesmas oscilações, mas em graus diferentes conforme a estratégia de gestão de cada carteira. Numa situação ideal, o investidor deseja o maior retorno possível em relação ao Ibovespa, mas com o menor desvio em comparação ao indicador.

No jargão de mercado, a parcela do retorno do fundo que é superior ao Ibovespa é chamado de retorno excedente. E na terminologia em inglês, também usada como jargão, o desvio da rentabilidade do fundo em relação ao Ibovespa – ou outro parâmetro de referência – é chamado de “tracking error”. Esse cálculo é a diferença média entre a rentabilidade diária do fundo e o indicador de desempenho da carteira em determinado período de tempo.

Do ponto de vista pragmático, para manter uma carteira de ações atrelada ao Ibovespa basta ao gestor replicar o índice. Se a participação de cada título em relação ao patrimônio do fundo for exatamente igual à composição do indicador, a rentabilidade de ambos será a mesma. Os fundos indexados adotam esse tipo de gestão.

No entanto, a estratégia de replicar o Ibovespa tem o inconveniente de tornar difícil superar o indicador. O “tracking error” seria zero, mas o retorno excedente do fundo em relação ao Ibovespa também seria inexistente. Poderia até ser negativo, caso a taxa de administração fosse excessivamente alta.

No outro extremo, o gestor de um fundo ativo poderia apostar todas as fichas em uma única ação, que nem mesmo fizesse parte do Ibovespa, e esperar que aquela companhia tivesse desempenho acima do indicador. A despeito do resultado obtido, a contrapartida da estratégia é a concentração do risco. Como consequência, o desvio da rentabilidade do fundo em relação ao Ibovespa, medido pelo “tracking error”, será elevado.

A maioria dos fundos com gestão ativa opera num meio termo entre esses dois extremos. O objetivo é equilibrar a busca pelo máximo retorno excedente com o menor “tracking error” possível.

As estratégias de gestão ativa mais utilizadas, e de certa forma as mais sólidas, envolvem aumentar ou reduzir o peso de determinadas ações ou setores em relação ao índice de referência. Para definir as participações específicas das empresas na carteira do fundo, pode-se adotar métodos qualitativos ou quantitativos.

Nos métodos qualitativos, o comitê de investimento da empresa de gestão de recursos define uma alocação estratégica conforme a visão de consenso dos especialistas. A partir daí os gestores possuem a liberdade para executar as alocações táticas, pinçando os papéis potencialmente mais rentáveis conforme as oportunidades de mercado.

Já os métodos quantitativos envolvem a análise estatística do desempenho das ações e a decomposição do retorno esperado em diversos “fatores”. Os principais fatores usados são a qualidade da companhia, o valor relativo da empresa em relação aos concorrentes e o momento da cotação do papel em relação ao histórico de negócios.

O histórico de uma amostra de 258 fundos de ações entre os de maiores patrimônio e quantidade de cotistas obtida a partir do sistema Morningstar Direct revela que, no período de baixa do Ibovespa, entre maio de 2015 e janeiro de 2016, 50 carteiras tiveram perdas superiores ao indicador. E 208 conseguiram implantar uma estratégia que amenizasse os prejuízos e caíram menos do que o Ibovespa.

Mas nem a agressividade nem a cautela na gestão explicam o desempenho dos fundos no período completo de dois anos. Entre as 50 carteiras que tiveram queda mais acentuada que o Ibovespa no intervalo de baixa, dez superaram o Ibovespa no período total. E entre as 208 que tiveram queda menor que o indicador, 99 conseguiram reverter o conservadorismo e superaram o Ibovespa.

O que as análises indicam é que tão importante quanto avaliar o desempenho passado, é fundamental que o investidor entenda a estratégia de investimento do fundo de ações que escolheu e tenha confiança de que é consistente no longo prazo.

O que justifica a valorização das ações no Brasil

No fim deste mês o Ibovespa pode estabelecer uma marca pouco comum. Se o índice fechar acima dos 60 mil pontos, alcançará o quinto trimestre consecutivo de rentabilidade positiva. Atualmente é negociado no patamar de 65 mil pontos.

A última vez que isso ocorreu foi no intervalo entre janeiro de 2009 até março de 2010. A alta acumulada naquele período foi de 87% e corrigiu parte das perdas contabilizadas desde 20 de maio de 2008, ainda hoje o ponto mais alto da série histórica do indicador.

No ano passado o Ibovespa subiu 39%. Petrobras e Vale, duas das principais empresas que fazem parte da carteira do índice, mais do que dobraram de valor.

Fim da recessao

A alta no preço das commodities no mercado internacional justificou grande parte do otimismo com a bolsa brasileira e refletiu na cotação das duas gigantes nacionais. O resgate de ambas empresas da ingerência política que contaminou os negócios das companhias, especialmente no caso da Petrobras, também ajudou na recuperação das cotações.

A esperança que embasa a alta das ações no Brasil é que a economia mundial volte ao ciclo de crescimento econômico. Com a maior demanda por parte dos países industrializados, a tendência é de valorização dos preços de insumos industriais e produtos agrícolas.

Além de beneficiar diretamente as empresas envolvidas nessas atividades, é possível vislumbrar outros ganhos para a economia brasileira. Um dos mais palpáveis é o clima de otimismo em relação aos investimentos produtivos.

O expressivo volume de investimentos estrangeiros diretos no Brasil no ano passado corrobora essa tese. Os dados do balanço de pagamentos divulgados pelo Banco Central apontam para entradas líquidas de mais de 70 bilhões de dólares em 2016.

Mesmo que boa parte dos recursos registrados nessa rubrica seja direcionado para a aquisição de negócios já existentes, o montante de investimentos estrangeiros é significativo. Podem representar, também, uma adequação do balanço de ativos e passivos das companhias, reduzindo o endividamento e dando novo fôlego aos negócios.

Mantendo o clima de otimismo, o Ibovespa acumula alta de quase 10% em 2017. Mas os motivos, agora, parecem um pouco diferentes. Avaliando o comportamento das ações integrantes do IBrX-100, um índice semelhante, mas que engloba quantidade maior de ativos, é possível identificar algumas tendências.

De acordo com o padrão de classificação das empresas por áreas de atuação, conforme definido pela Morningstar, é possível segmentar setorialmente as companhias que fazem parte do IBrX-100. A vantagem é que essa classificação obedece uma metodologia global, aplicável em todos os mercados mundiais.

Existem três grandes grupos de setores de atividade: cíclicos, defensivos e sensíveis. A lógica dessa classificação é agrupar as empresas conforme a influência sobre os negócios, de acordo com as condições gerais da economia.

Fatores específicos podem afetar o desempenho das ações de uma companhia em particular, tais como desenvolvimento de novos produtos, fusões com outras empresas, aquisições de concorrentes ou exploração de novos mercados. No entanto, empresas com atuação no mesmo setor tendem a se comportar de maneira semelhante.

A principal característica das empresas dos setores cíclicos é serem muito afetadas pelas oscilações da economia. Num ambiente de expansão as empresas tendem a ir muito bem, mas se há uma recessão, as companhias enfrentam dificuldades.

Exemplos de setores cíclicos são a indústria química, papel e celulose, varejistas, restaurantes, setor financeiro e imobiliário.

As empresas dos setores defensivos são, de certa forma, imunes ao comportamento econômico. Isso porque os produtos comercializados possuem demanda aproximadamente estável.

Os exemplos são os fabricantes de bebidas, alimentos processados, serviços de educação, saúde e provedores de água, luz e gás.

Já as companhias dos setores sensíveis tendem a ser afetadas pelos altos e baixos da economia, mas de forma menos intensa do que as companhias cíclicas. Como exemplos estão os serviços de comunicação, o setor de energia, aeroespacial, aviação, engenharia e tecnológico.

Nesse primeiro trimestre o setor de consumo cíclico apareceu como destaque. A rentabilidade média das ações deste segmento e que fazem parte do IBrX-100 foi mais de duas vezes superior ao Ibovespa.

Esse conjunto inclui varejistas, empresas de incorporação imobiliária e operadores de viagens. São negócios fortemente afetados pela conjuntura econômica doméstica.

A aposta atual na bolsa é que a economia brasileira sairá rapidamente da atual recessão. Entretanto, é um risco que deve ser administrado com cuidado.

Formas de escolher entre diferentes tipos de investimento

Considere que, após fazer um teste para avaliar o seu perfil de investidor, você tenha a opção de aplicar em três carteiras com características diferentes: conservadora, moderada ou agressiva.

A carteira conservadora engloba títulos atrelados ao CDI, papéis prefixados e fundos multimercados. A moderada inclui, além das opções da carteira conservadora, ativos indexados à inflação e ações negociadas no Brasil. Já a carteira agressiva reúne, também, ações negociadas no mercado internacional.

A participação de cada modalidade de ativo no total varia conforme o perfil da carteira. Na conservadora o peso dos títulos atrelados ao CDI é equivalente a 85% do total do patrimônio. Na carteira agressiva, o percentual cai para apenas 10%.

Já a participação das ações negociadas no mercado local é inexistente na carteira conservadora, representa 5% na carteira moderada e sobe para 15% na agressiva. O peso de cada classe de ativo nas três carteiras está ilustrado no gráfico.

Chassi

Por trás dessa distribuição está a ideia de que quanto mais conservadora a carteira, mais previsível será a rentabilidade, se medida como um percentual da variação do Certificado de Depósitos Interfinanceiros (CDI).

Em contrapartida, quanto mais agressiva, mais distante será o retorno em relação ao CDI. Preferencialmente no território positivo, mas não há garantia de que isso vá acontecer.

No mercado financeiro brasileiro o CDI é considerado como sendo a taxa livre de risco. Significa que para ganhar mais do que o indicador é preciso arriscar.

Existem dois tipos de risco que o investidor pode assumir para tentar aumentar a rentabilidade dos investimentos. Um é chamado de risco de crédito e outro de risco de mercado.

O risco de crédito é ilustrado por uma opção comumente oferecida pelas corretoras. São os títulos emitidos pelos chamados bancos de segunda linha. Geralmente a modalidade tem a vantagem adicional de ter os rendimentos isentos do imposto de renda.

Para tornar as operações mais seguras e minimizar eventuais problemas de inadimplência, a recomendação é não ultrapassar o limite de garantia oferecido pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). Essa instituição é uma espécie de seguradora que garante depósitos bancários até o limite de R$ 250 mil, sob certas condições.

Ainda como opção, no mercado de capitais existem os títulos de empresas vendidos em ofertas públicas. Geralmente são papéis emitidos por empresas renomadas, comercializados respeitando os critérios da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e com classificação de risco atribuída por agências de “rating”.

No setor de gestão de recursos, a alternativa são os fundos DI com crédito privado. Os administradores das carteiras criam estruturas profissionais para escolher os títulos de emissores potencialmente mais rentáveis, respeitando critérios de segurança.

Em relação ao risco de mercado, as principais opções são os fundos multimercados, os títulos prefixados ou atrelados à inflação e os chamados ativos de renda variável, tais como ações negociadas em bolsa ou fundos de ações.

A diferenciação entre as composições das carteiras conservadora, moderada e agressiva possui uma lógica relacionada ao tamanho do risco de mercado assumido.

A participação de cada classe de ativo nas carteiras é estabelecida de acordo com três fatores: o grau de variabilidade da rentabilidade histórica, a expectativa de retorno para o futuro e a tendência de apresentarem comportamento similar ou oposto quando analisadas em conjunto. O objetivo é atingir a melhor combinação possível de acordo com o patamar de risco estabelecido.

É por essa razão que a carteira agressiva possui a maior participação em ativos de renda variável. E carteira moderada fica numa faixa intermediária.

Existe uma forma alternativa para montar uma carteira com maior risco de mercado. A estratégia é concentrar as aplicações em um ativo principal que seja o mais seguro possível e participar de uma série investimentos satélites extremamente mais arriscados com pesos aproximadamente iguais.

A imagem é a de um grande planeta rodeado por diversos satélites. Ou a de uma barra de levantamento de pesos: o peso de uma das pontas representa o investimento conservador e os pesos da outra ponta representam os ativos mais arriscados, sem nada no meio.

A despeito da forma escolhida para montar a carteira, é importante estabelecer um plano de investimento. E ter segurança de que as aplicações são compatíveis com as metas definidas.

A maneira ideal para diversificar as aplicações financeiras

O cenário de bolsa subindo com juros e dólar caindo é um forte incentivo para sair das tradicionais aplicações indexadas ao Certificado de Depósitos Interfinanceiros (CDI).

Bancos e corretoras tem sido ágeis em oferecer aos investidores opções para diversificar a carteira. Mas, muitas vezes, as ofertas são caras ou complexas.

Entre as diversas alternativas, as que mais têm chamado a atenção no momento são as aplicações em ações, títulos de renda fixa, fundos de investimento com estratégias agressivas e modalidades envolvendo os Certificados de Operações Estruturadas (COE).

Mas é preciso cautela para compreender os perigos envolvidos em cada opção. O simples aumento do risco da carteira não implica, necessariamente, maior rentabilidade.

Como regra geral, a diversificação das aplicações financeiras é positiva. Isso porque tem o potencial de proporcionar maior retorno e, ao mesmo tempo, diminuir a oscilação dos ganhos.

A ideia é que se determinado investimento tiver prejuízo num certo período, a rentabilidade dos demais ativos compensará aquela perda. Ao longo do tempo, a média do rendimento do conjunto das aplicações tenderá a ser favorável.

No entanto, para que estratégia funcione, é preciso evitar ativos cujas cotações subam e desçam todas ao mesmo tempo e com a mesma intensidade. No jargão de mercado, os ativos devem ter correlação baixa.

Suponha que você queira diversificar investindo em dois fundos de investimento multimercado que sigam, rigorosamente, o “kit Brasil”. Significa que ambos possuem partes da carteira comprada em títulos prefixados, vendida em dólar e aplicada em bolsa.

Como os dois fundos seguem a mesma política de investimento, não há diversificação. Se um fundo tiver prejuízo, o outro também registrará perdas.

Nesse caso hipotético é preferível concentrar a carteira, escolhendo somente um fundo. A diversificação produz apenas complexidade para o controle das operações.

Outra vantagem da diversificação é estabelecer alocações estratégicas, visando alcançar os objetivos de longo prazo. Um exemplo é a poupança para a aposentadoria.

É razoável manter parte dos investimentos destinados à aposentadoria em aplicações atreladas ao índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Isso garante a manutenção do poder de compra no futuro.

Ao destinar parcela da poupança para títulos tais como as Notas do Tesouro Nacional da série B (NTN-B) o investidor garante que o capital será corrigido pela inflação mais uma determinada taxa de juros. É uma forma de tentar atingir a independência financeira de maneira mais segura.

A diversificação também é interessante para aproveitar oportunidades de curto prazo. No jargão, essa forma de investir é chamada de alocação tática.

Considere o cenário atual de queda de juros e alta da bolsa que vem ocorrendo a despeito de todos os problemas políticos e econômicos do país. Apesar das incertezas envolvendo conjecturas sobre o potencial de crescimento dos lucros das empresas e a sustentabilidade da queda dos juros, existe uma oportunidade de ganhos no curto prazo.

Para tentar lucrar nesse ambiente mais otimista, a recomendação é investir em títulos prefixados e em ações negociadas na Bovespa.

Nos últimos meses o retorno tem compensado os riscos. O gráfico ilustra a rentabilidade e a volatilidade dos principais indicadores de mercado nos últimos 12 meses.

artediversificacao

Além do CDI, estão destacados outros quatro indicadores. O IRF-M e o IMA-B são índices que medem o comportamento de uma carteira de títulos públicos prefixados e uma cesta de NTN-Bs, respectivamente. A variação do dólar em relação ao Real e o desempenho do Ibovespa também estão assinalados no gráfico.

O retorno é medido no eixo vertical e o risco no eixo horizontal. A leitura do gráfico indica que, no período analisado, os ativos mais arriscados tiveram rentabilidade mais elevada. A exceção foi o dólar.

Em termos práticos, o investidor possui duas maneiras de diversificar os investimentos: por meio de bancos ou de corretoras.

Nos bancos, a tendência é que o investidor encontre pacotes fechados, sem muita possibilidade de ajustes das alocações para atender necessidades específicas. Além disso, os custos das alternativas oferecidas tendem a ser mais elevados.

Nas corretoras, é possível montar uma carteira individualizada. Mas é preciso possuir conhecimentos sobre as operações para evitar armadilhas e prejuízos.

Dependendo do perfil do investidor, ambas as possibilidades são recomendáveis.

“Kit Brasil” pode voltar a dar ganhos expressivos em 2017

Após um intervalo de cinco anos, a estratégia de operar comprado em bolsa, vendido em dólar e apostando na queda dos juros voltou a dar lucro no ano passado. Essa combinação ficou conhecida como kit Brasil e deu excelentes resultados no período de oito anos entre 2003 e 2010.

Conforme calculado pelo sistema Morningstar Direct, uma carteira teórica formada por uma posição equivalente a um terço do patrimônio investido no índice Bovespa, um terço vendido na variação do dólar Ptax, um terço aplicado no índice que reflete o comportamento de uma carteira de títulos públicos prefixados com vencimento acima de um ano (IRF-M1+) e o restante do capital atrelado ao CDI registrou uma boa relação de risco e retorno em 2016.

A rentabilidade desse investimento hipotético teria sido de 40% no ano passado, com volatilidade de 15%. O retorno excedente em relação ao CDI foi de 22,7% e o índice de Sharpe, 1,5. A premissa é que o peso das posições foi ajustado mensalmente ao longo do ano.

image

O índice de Sharpe é uma medida para avaliar se o retorno adicional em relação à taxa livre de risco – nesse caso o CDI – compensou o risco assumido. O indicador busca comparar a eficácia das diversas estratégias de investimento possíveis.

A ideia é que, a despeito da rentabilidade final conseguida, o investidor sempre prefere o ganho máximo possível para um determinado nível de risco. Essa é a razão para avaliar o lucro das posições como proporção da volatilidade dos rendimentos.

Para 2017 é possível que o kit Brasil continue oferecendo resultados acima do CDI. Isso porque, devido ao otimismo em relação aos ajustes das contas públicas, as projeções indicam que o Brasil voltará a entrar num longo ciclo de queda dos juros, com a taxa de câmbio valorizando e a bolsa avançando, apesar de toda a incerteza causada pelo atual ambiente econômico desfavorável.

Mas os ganhos potenciais com a estratégia estão longe de serem favas contadas. É fundamental que ocorram melhoras concretas nos principais indicadores macroeconômicos do país.

A análise da composição da carteira de 5 de janeiro do IRF-M1+ exemplifica os desafios. A taxa média dos títulos que compõem o indicador era de 11,14% ao ano. Para que o índice termine 2017 com ganhos acima do CDI, será preciso que os juros médios dos papéis de longo prazo continuem caindo.

Para a taxa de juros de curto prazo, as projeções são de queda. A mediana das estimativas coletadas pelo Banco Central (BC) indica que a taxa Selic chegará em dezembro de 2017 no patamar de 10,25% ao ano. Atualmente a taxa básica está em 13,75% ao ano.

Os juros de curto prazo influenciam a remuneração dos títulos de longo prazo. Mas nem sempre essa relação é direta.

Já houve situações em que os juros de longo prazo subiram, apesar da queda da taxa Selic. Isso tende a ocorrer quando o corte da taxa básica de juros não é acompanhado pela queda da projeção para a inflação.

Hoje a estimativa para inflação em 2017 é de 4,81%, menor do que há quatro semanas quando era de 4,90%. No entanto, as projeções ainda estão acima do centro da meta de 4,5% perseguida pelo BC, o que gera incertezas sobre o ritmo de queda dos juros.

A cotação do dólar é mais difícil de ser prevista. A mediana das estimativas divulgadas pelo BC indica que a taxa será de R$ 3,45 em dezembro de 2017, acima da cotação atual de aproximadamente R$ 3,20.

Entretanto, tendo em vista a redução expressiva do resultado negativo das contas correntes do balanço de pagamentos do Brasil, que saiu de déficit de 104 bilhões de dólares em 2014 para perdas de cerca de 20 bilhões de dólares em 2016, é provável que as projeções sejam revistas.

Além disso, o volume elevado de reservas internacionais e a queda marcante do consumo das famílias indicam que é pouco provável que o dólar suba se não houver graves incertezas políticas.

Já a bolsa tem mostrado sinais discrepantes. O ambiente de negócios continua difícil e as projeções para os lucros das companhias continuam baixos. Em contrapartida, o aumento do preço das commodities e a reorganização da governança da Petrobras refletiram positivamente no índice Bovespa em 2016 e podem continuar sendo um fator de alta para 2017.

Adicionalmente, o volume de investimentos estrangeiros diretos na economia continua em patamares elevados, indicando uma aposta na recuperação do resultado das empresas brasileiras.

Tudo ponderado, e apesar das incertezas, uma carteira balanceada e com risco controlado, apostando no kit Brasil, tende a proporcionar ganhos nos próximos 12 meses.

Reforma da previdência: equilíbrio atuarial, mas ainda longe do justo

Ao estabelecer a idade mínima de aposentadoria e vincular o cálculo dos benefícios ao tempo de contribuição, o projeto de reforma da previdência resolve os potenciais desequilíbrios estruturais do sistema. Mas é preciso avançar para equacionar as distorções que continuarão afetando trabalhadores e empresas.

Pela proposta, se uma pessoa começasse a trabalhar hoje aos 30 anos, com rendimentos mensais de R$ 1,5 mil e contribuísse por 35 anos para o INSS, teria direito a aposentadoria de 86% do salário a partir dos 65 anos de idade. A premissa desta simulação é que não ocorrerão ganhos salariais reais – acima da inflação – durante toda a carreira.

Assim, a contribuição previdenciária do trabalhador seria de 8% sobre os rendimentos e a empresa desembolsaria outros 20%. Assumindo, por hipótese, que as contribuições previdenciárias fossem segregadas em aplicações financeiras com rendimentos de 2,5% ao ano acima da inflação, no fim do período de 35 anos o montante acumulado atingiria R$ 280 mil.

Com esse valor, seria possível financiar o resgate mensal de R$ 1.290 que o trabalhador receberia como aposentadoria até que completasse 89 anos. Como a expectativa de vida de uma pessoa que chega aos 65 anos hoje no Brasil é de 85 anos, o sistema de previdência administrado pelo INSS tenderia a registrar um superávit atuarial.

Com juros maiores, o sistema seria ainda mais superavitário. Hoje a remuneração dos títulos públicos com prazo de vencimento de 33 anos é de cerca de 6% ao ano. Nessa taxa, as reservas atingiriam o montante de R$ 580 mil e poderiam financiar a aposentadoria indefinidamente, apenas com o resgate dos juros, sem redução do principal.

Com o problema de solvência do governo potencialmente solucionado, é preciso avaliar os impactos da reforma para trabalhadores e empresas. Um primeiro ponto é ter em perspectiva que o salário tende a subir ao longo da carreira.

Considerando a mesma remuneração inicial de R$ 1,5 mil do exemplo anterior, mas assumindo aumentos anuais contínuos de 3,6% acima da inflação, o salário atingiria R$ 4.993 após 35 anos, a valores de hoje.

O cálculo da aposentadoria leva em conta a média das contribuições. No caso específico, 86% sobre esse montante médio resultaria num benefício de R$ 2.506. O valor é igual a 50% do último salário.

Portanto, uma primeira consideração que o trabalhador deve fazer é que o benefício da aposentadoria somente ficará próximo aos salários dos últimos anos caso não ocorram aumentos expressivos de remuneração ao longo da carreira.

ArteUltimoSalario

Considere, agora, o cenário em que o salário inicial é de R$ 2,5 mil e cresce à taxa de 6% ao ano acima da inflação até atingir o teto de contribuição do INSS, de pouco mais de R$ 5 mil. Isso ocorreria depois de 12 anos. Assuma, também, que o crescimento salarial a partir do 13º ano é mais lento, de 2% ao ano acima da inflação. Após 35 anos o salário seria de R$ 7,8 mil.

Ao atingir o teto do INSS, a contribuição previdenciária do trabalhador é congelada em R$ 570, equivalente a 11% do valor estabelecido como base. No entanto, a parcela descontada da empresa continua sendo de 20% sobre o salário total.

Na prática isso gera uma aumento dos recursos à disposição da previdência sem contrapartida no acréscimo das obrigações. É excelente para o equilíbrio atuarial do INSS, mas ocorre em detrimento da parcela da contribuição da empresa que não é revertida ao trabalhador.

Em termos numéricos, considerando a capitalização das contribuições da empresa e do trabalhador a juros reais de 2,5% ao ano, o valor acumulado após 35 anos atingiria R$ 960 mil. É um montante suficiente para financiar a aposentadoria de R$ 4 mil, equivalente a 51% do último salário, por 93 anos.

Se as reservas fossem capitalizadas a juros de mercado, o valor chegaria a quase R$ 2 milhões e a folga do INSS seria desproporcionalmente elevada.

Um cenário de crescimento ainda mais rápido do salário realça a distorção do sistema proposto. Partindo de um salário de R$ 2,5 mil com aumento de 10% ao ano por 7 anos e 5% ao ano daí em diante, a contribuição total capitalizada a juros reais de 2,5% ao ano atingiria R$ 1,4 milhão depois de 35 anos.

A aposentadoria do INSS seria de pouco mais de R$ 4 mil, equivalente a 23% do último salário de R$ 18 mil. O montante acumulado seria suficiente para pagar a aposentadoria até os 105 anos com folga.

Os números sugerem que a proposta de reforma da previdência é injusta com as empresas e trabalhadores do setor privado.