A procura pelas estratégias mais lucrativas para 2019

Com expectativa de taxa Selic estável ou alta de no máximo meio ponto percentual, possibilidade concreta de recuperação da atividade econômica e o governo com uma agenda de reformas pró-mercado, 2019 tende a ser um ano de busca por maiores retornos no mercado financeiro brasileiro.

O cenário estimula a aplicação em diversos tipos de investimentos alternativos. Especialmente aqueles relacionados a ativos com maior oscilação de preços, tais como ações de companhias abertas, contratos nos mercados futuros de moedas, commodities ou índices financeiros e operações mais sofisticadas envolvendo opções, swaps e demais derivativos.

Dada a característica de volatilidade do retorno desses ativos, é importante manter uma disciplina para entrar e sair das posições. No jargão de mercado, a atividade é conhecida como “trading”.

A tendência é que investidores profissionais e amadores desenvolvam estratégias originais para surfar o momento. A consequência é uma corrida para estabelecer os métodos mais eficazes de identificação dos pontos de compra e venda, arbitragem entre ativos e descoberta de “pérolas” entre os papéis menos líquidos.

Nesse ambiente, o desafio é não ser tão arrojado para tomar posições que possam gerar perdas muito grandes, nem tão conservador para deixar passar as boas oportunidades.

Segundo Alex Preda, pesquisador do King’s College em Londres e que esteve no Brasil em novembro do ano passado participando da conferência Ciências Comportamentais e Educação do Investidor, organizada pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), o trading é uma atividade social.

Mais do que apenas ganhar dinheiro, tanto os profissionais do mercado quanto os “traders” amadores compram e vendem ativos para testar suas teses e convicções. E com o desenvolvimento da tecnologia aplicada ao mercado financeiro, a atividade ficou acessível para praticamente qualquer pessoa.

O interessado encontra feiras, seminários, cursos, “newsletters” e grupos de estudo para ensinar e incentivar a negociação de diversos ativos financeiros. Basta pesquisar na internet e encontrar a alternativa mais adequada.

Os economistas chamam o trading de jogo de soma zero. Isso porque o sucesso de uma posição depende do fracasso de outra realizada por uma contraparte.

Para entender, imagine uma situação na qual você compra uma ação ao preço de R$ 100 e vende logo em seguida por R$ 110, apurando um ganho de R$ 10. Esse lucro só foi conseguido às custas do prejuízo de alguém que vendeu a ação por R$ 100 e recomprou por R$ 110.

Com base nesse conceito os economistas avançam na argumentação racional: se você fizer transações de compra e venda repetidas vezes, de forma mecânica, em alguns casos terá lucro e em outros prejuízos. Estatisticamente, se as chances de ganhar ou perder forem ambas de 50%, no fim de um determinado período estará no zero a zero.

Mas os “traders” mais bem sucedidos conseguem desenvolver métodos de negociação que aumentam suas chances de ganho. Pelo menos agem com a confiança de que a estratégia pode dar certo por determinado período de tempo.

Caso não fosse assim, o volume de negociação no mercado secundário seria muito menor do que efetivamente acontece e as compras e vendas estriam restritas às pontas interessadas em adquirir ou se desfazer dos ativos. Um turista que voltou de viagem e outro que ainda vai viajar no mercado de câmbio, por exemplo.

Apesar de o sucesso de uma posição depender do fracasso de outra, existe muita colaboração entre os “traders”, especialmente os amadores. Diversos grupos são criados para discutir o comportamento do mercado e refinar as melhores estratégias.

Muitas vezes o acesso a esses grupos é facilitado por corretoras, distribuidoras e demais participantes do mercado financeiro.

Dependendo da quantidade de horas que o investidor decida alocar à atividade de negociação de ativos, as tarefas dentro de um grupo podem se tornar complexas. Em alguns casos, o trabalho é dividido de forma semelhante ao que é feito nos grandes bancos de investimento.

De toda forma, é importante o investidor ter em mente que qualquer estratégia de negociação demanda algum tempo para ser adaptada e se tornar lucrativa. Portanto, é natural que existam momentos de perdas e é preciso estar financeiramente preparado para encarar os revezes.

O ambiente atual do mercado no Brasil é desafiador para quem quiser assumir mais riscos.

Educação financeira tem papel relevante na redução do spread

A atividade bancária no Brasil é lucrativa e arriscada. O retorno sobre o capital, que mede a relação entre o lucro e o patrimônio líquido, registrado pelos cinco maiores bancos brasileiros está entre os mais elevados de um conjunto composto pelas maiores instituições que operam em 12 mercados emergentes e desenvolvidos.

Entretanto, apesar de lucrativa no país, é uma atividade difícil de alavancar. Significa que reproduzir o negócio não é simples. Essa é uma das razões que explicaria a concentração recente do mercado bancário nacional em poucos participantes e a saída de diversas instituições estrangeiras da operação no varejo.

Os bancos no Brasil estão sujeitos a uma série de obrigações operacionais, tributárias, administrativas e legais que encarecem as operações. E causam incertezas, na medida em que as regras podem ser modificadas.

Para os tomadores de recursos, a consequência palpável desse arcabouço é o alto custo dos empréstimos. Em 2016, a diferença média entre a despesa de captação dos bancos nacionais e a taxa de juros dos financiamentos foi de 22% ao ano. A mediana de uma amostra de 12 países foi de 4% ao ano, menos de 20% em relação ao Brasil.

Comparação do spread em países selecionados (% ao ano)   clip_image002

 
                                                                                                                                                                                                                                              fonte: Como fazer os juros serem mais baixos no Brasil      

A diferença entre custo de captação e taxa de empréstimo é chamada de spread, no jargão dos especialistas. O spread elevado causa uma série de consequências: o crédito custa caro para o tomador, o volume de financiamentos em relação ao PIB é baixo e a inadimplência é alta. Tudo isso dificulta o crescimento econômico.

É um círculo vicioso que a Febraban, a federação dos bancos, se propõe a interromper. Um diagnóstico foi publicado no livro “Como fazer os juros serem baixos no Brasil”. O trabalho contém propostas para tornar a operação bancária no país mais eficiente.

No capítulo 3, o livro aponta a inadimplência como o maior vilão do spread bancário. Os bancos afirmam que precisam cobrar juros mais altos dos bons pagadores para compensar as perdas causadas pelos inadimplentes.

É um argumento surpreendente e contraintuitivo. A impressão para o leigo é que o lucro da atividade é apropriado pelos acionistas dos bancos e os prejuízos são repartidos entre os demais tomadores de empréstimos, num cenário que desestimula as instituições a serem mais eficientes.

Seria mais natural que os bancos investissem na melhoria dos controles de concessão de crédito para evitar os calotes. A consequência seria o alijamento do mercado dos maus pagadores e juros menores como um todo.

Ao longo do texto os bancos explicam que até tentam ser mais eficientes, mas diversas amarras legais os impedem de atingir o objetivo.

O cadastro positivo, que facilita o acesso às informações financeiras dos brasileiros, precisa ser aperfeiçoado; as execuções dos bens dados em garantia precisam ser mais intempestivas; e o uso da tecnologia deve ser direcionado para a criação de modernos instrumentos que facilitem a representação e negociação do crédito.

Para financiar a carteira de crédito, as instituições captam recursos no mercado. Mas se os recursos captados não puderem ser livremente aplicados, isso representa um custo de oportunidade.

Os depósitos compulsoriamente recolhidos ao Banco Central e os empréstimos obrigatoriamente direcionados a determinados setores ou atividades são empecilhos para que os bancos emprestem livremente para os clientes que considerem mais rentáveis. Portanto, acabam aumentando os custos operacionais e impactando o spread.

O livro também faz críticas aos altos impostos incidentes sobre a atividade bancária. Se a tributação fosse menor, o spread poderia ser reduzido.

O capítulo 6 que aborda o cheque especial e o cartão de crédito é o mais interessante sob o ponto de vista da educação financeira e da relação entre as pessoas e os bancos.

No passado, para os bancos, a principal função do cheque especial era facilitar as compras parceladas com cheques pré-datados. Atualmente esse papel passou a ser exercido pelo cartão de crédito, que se tornou um dos meios de pagamento mais importantes na economia brasileira.

Tanto o cheque especial quanto o cartão de crédito têm uma atribuição para os bancos diferente daquilo que a maioria das pessoas acredita.

Os juros do cheque especial são mais um complemento da tarifa bancária, desde que a pessoa fique no negativo por dois ou três dias. Já o cartão de crédito é um instrumento para facilitar as vendas, especialmente do varejo.

Portanto, apesar do nome, é fundamental entender a real utilidade dos instrumentos financeiros para evitar as armadilhas dos juros exagerados que levam ao superendividamento.

Desafios para educação financeira no Brasil ainda são grandes

A educação financeira é fundamental para o desenvolvimento pessoal e o progresso econômico do país. Na medida em que aprendemos o valor do dinheiro no tempo, somos capazes de tomar decisões mais embasadas e que levam a maior satisfação no longo prazo. Conjuntamente, as escolhas financeiras individuais terminam por impactar o bem estar de toda a população.

Opções tais como consumir hoje, poupar para o futuro, assumir um endividamento com prazo determinado e estratégia clara para a quitação, estabelecer um plano de investimentos com objetivos específicos ou administrar um negócio ficam mais fáceis de serem avaliadas se o conhecimento financeiro for alto.

A prática, no entanto, revela que a transmissão de conhecimento financeiro não é tarefa simples. Alguns programas de educação financeira acabam sendo mais bem sucedidos do que outros.

O assunto foi tema do seminário Novas Tendências em Educação Financeira e da conferência Ciências Comportamentais e Educação do Investidor. Os eventos foram realizados entre os dias 12 e 14 de novembro em São Paulo e contaram com a organização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em parceria com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Um dos motivos para um programa de educação financeira não atingir o resultado esperado é a desconexão com o público alvo. Por exemplo, ao não levar em conta a variabilidade das receitas daquela população que se deseja impactar.

O assunto foi abordado pelo professor Jonathan Morduch, autor do livro “The financial diaries” (“Os diários financeiros”, numa tradução livre). A obra de Morduch é resultado do acompanhamento financeiro semanal de um grupo de 235 famílias americanas com renda anual pouco acima da linha da pobreza. Esse público é representativo de uma parcela significativa da sociedade.

A motivação para a pesquisa foi a sensibilidade de que, apesar de a renda anual de muitas famílias ser suficiente para oferecer um padrão de vida minimamente confortável para os parâmetros americanos, a variabilidade dos ganhos no mês a mês acarretava impactos relevantes.

Nessa linha, os aconselhamentos tradicionais de que é preciso poupar parte da receita para os momentos difíceis e separar outro tanto para a aposentadoria são sugestões pouco factíveis para esse público.

Ao longo do período de um ano, uma parcela do superávit orçamentário conseguida nos meses bons é necessariamente consumida nos meses ruins. A gestão financeira das contas da família se torna muito mais complexa.

A situação exige sólidos fundamentos de administração do capital de giro, liquidez dos investimentos e gestão de passivos. Além de um bom relacionamento com as instituições financeiras.

Como essa sofisticação é difícil de atingir, o estudo de Morduch buscou entender e tentar generalizar as alternativas usadas por esse público. As conclusões podem servir de embasamento para as políticas públicas.

A realidade brasileira é semelhante. Alexandre Comin, do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), destacou no seminário a sazonalidade dos pequenos negócios. E as dificuldades que os empreendedores têm com as inovações financeiras.

Muitas vezes, com a expectativa de melhorar o fluxo de caixa, pequenos comerciantes acabam assumindo endividamento muito oneroso devido à facilidade para antecipar os recebíveis. Isso pode acabar se refletindo no descontrole das contas e causar inadimplência.

A Plano CDE, empresa brasileira especializada em pesquisa e avaliação de impacto nas famílias nas famílias das classes C, D e E do Brasil, também abordou o assunto com um estudo parecido com o de Morduch. Em parceria com a Fundación Capital, um empreendimento social, e o Guia Bolso, uma startup financeira, fez uma espécie de diário financeiro digital identificando o perfil financeiro das famílias das classes mais baixas.

Entre as principais constatações está a observação de que as famílias possuem múltiplas fontes de renda e que essas receitas são variáveis. Como consequência dessa dinâmica, aparecem conflitos entre o orçamento de casa e as despesas individuais.

Os gastos em espécie são proporcionalmente maiores do que os das famílias de maior renda e existe uma desconfiança generalizada no sistema financeiro. De uma forma geral, as famílias das classes C, D e E preferem manusear o dinheiro do que efetuar transações eletrônicas por meio de aplicativos.

É fundamental que os programas de educação financeira atuem em linha com os valores e objetivos de cada parcela da população.

Padrões de avaliação de informações influenciam decisões de investimento

Qualquer investidor que já tenha se deparado com um prospecto de emissão de um título ou valor mobiliário ficou com pelo menos duas impressões iniciais.

A primeira foi positiva, dado o grau detalhamento sobre as operações da companhia. A segunda foi negativa, devido ao desafio de encarar a enorme quantidade de informações disponíveis.

Tanto empresas que buscam captar recursos para financiar suas atividades quanto reguladores que fiscalizam as operações no mercado de capitais possuem um objetivo comum. É preciso transmitir informações relevantes para que o investidor tome a decisão de investimento da forma mais embasada possível.

No entanto, existem controvérsias sobre a melhor forma de atingir essa meta.

Do ponto de vista da racionalidade econômica, é melhor ter mais informações do que menos. Isso porque, no fim, tudo ganha o devido peso e acaba incorporado ao preço de mercado do ativo.

Mas a percepção é de que o excesso de informação é contraproducente. Um exemplo emblemático é a seção de riscos de alguns prospectos, em que os pontos elencados chegam a ser risíveis.

Existem explicações psicológicas para o sentimento de desconforto que surge quando nos deparamos com o exagero de dados. Como a atenção é um recurso escasso, não é fácil distinguir entre as informações que são relevantes e as que podem ser descartadas.

Para aprofundar o tema, a pesquisadora Bianca Checon uniu psicologia e contabilidade na tese “Atenção limitada, o uso da informação contábil e seus impactos na tomada de decisão de investimento individual”. O trabalho foi feito para conclusão do curso de doutorado no departamento de contabilidade e atuária da Faculdade de Economia, Administração e Atuária da USP.

Uma das contribuições originais da tese foi buscar identificar quais os padrões de informações contábeis e não contábeis que os investidores brasileiros se apoiam para embasar suas escolhas.

O estudo avaliou o processo de decisão de um conjunto de investidores profissionais e individuais. A técnica utilizada, chamada metodologia Q, procura medir os aspectos subjetivos que influenciam os investidores a levar em conta certas informações em detrimento de outras.

Em entrevistas, a pesquisadora pediu para que os investidores ordenassem, por grau de relevância, 62 itens relacionados a oito grupos de informações.

Os itens foram reunidos por notícias das companhias, fatos relevantes divulgados pelas empresas, dados históricos das ações, informações macroeconômicas, informações contábeis, indicadores contábeis, informações de terceiros e banco de dados de informações.

A premissa da metodologia é que os processos de decisão individuais estudados a partir de uma amostra acabam formando alguns conjuntos significativos com características comuns. A identificação desses padrões é feita estatisticamente e as conclusões podem ser generalizadas.

Para o grupo formado por investidores profissionais (IPs), os resultados indicaram que as decisões são tomadas de uma maneira estratégica. E que os itens avaliados são coerentes e alinhados com a abordagem escolhida.

De uma forma geral, os IPs começam por uma avaliação qualitativa da empresa ou do ambiente de negócios. Depois aprofundam o entendimento analisando aspectos quantitativos. Finalmente, buscam corroborar as conclusões com fontes externas. A pesquisa detectou três abordagens principais.

Na primeira, que poderia ser chamada de “conhecendo a companhia a partir das informações divulgadas”, o passo inicial é entender o modelo de negócios da empresa. Em seguida são avaliadas informações do setor de atuação. E, finalmente, são estudados os indicadores de liquidez das ações e desempenho operacional.

A segunda abordagem tem início na avaliação geral e vai para o particular. A estratégia é começar com o estudo de indicadores macroeconômicos e dados sobre o negócio e o desempenho passado da companhia avaliada. Depois, identificada a oportunidade de investimento, são feitas as demais análises mais aprofundadas da companhia.

A terceira forma adotada pelos IPs pode ser caracterizada como uma combinação das duas primeiras.

A abordagem dos investidores individuais (IIs) difere significativamente da dos profissionais. Para esse grupo foram detectadas quatro maneiras para avaliar as informações.

Em todas os estudos estatísticos indicaram que são considerados um excesso de itens com informações parecidas. Isso indica que os IIs perdem tempo avaliando dados semelhantes.

Outro aspecto relevante é que não existe um consenso entre as abordagens adotadas pelos IIs. Com dificuldades para administrar o excesso de informações, o resultado é que a avaliação de dados quantitativos antecede as análises qualitativas.

Como a abordagem dos IIs é significativamente diferente das dos IPs, a percepção do estudo é que isso leva a resultados piores no longo prazo. Mas esse fato não foi testado.

Do ponto de vista pragmático, o trabalho sugere que os investidores individuais estariam mais bem atendidos caso delegassem seus investimentos para investidores profissionais, mesmo que essa decisão implicasse algum tipo de custo adicional.

Além da possibilidade de atingir uma melhor relação entre risco e retorno, reduziria a complexidade da gestão dos investimentos.

Opções na renda fixa para enfrentar o cenário eleitoral

A inflação nos últimos 12 meses foi de 4,19%. A projeção para os 12 meses à frente é de 3,89%. De hoje até 28 de outubro, enfrentaremos uma eleição com muita incerteza sobre as propostas dos ajustes econômicos necessários para reposicionar o Brasil na rota do crescimento econômico.

Dado este cenário, o investidor em renda fixa tem a opção de ficar ancorado na taxa Selic com remuneração atual de 6,5% ao ano, indexar as aplicações por meio da compra de um papel com resgate em agosto de 2024 que rende aproximadamente inflação mais 5,5% ao ano ou encarar os riscos de um título prefixado com vencimento em janeiro de 2025 e rendimento de cerca de 12% ao ano.

Cada alternativa possui vantagens e limitações. A dificuldade é organizar os pontos positivos e negativos de forma equilibrada para tomar a decisão da forma mais embasada.

Um bom começo é avaliar a dinâmica das expectativas para a inflação. O Banco Central (BC) compila e divulga periodicamente as projeções dos especialistas. Com os dados, é possível examinar o comportamento da série histórica das estimativas.

No começo do ano, a mediana das projeções para a variação em 12 meses do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) era de 3,78%. No começo de julho a expectativa atingiu a máxima do ano de 4,72%, mas voltou a cair para os atuais 3,89%.

De olho nos indicadores

Como o indicador é calculado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e usado pelo BC para estabelecer os ajustes na política monetária, é considerado como o índice oficial de inflação.

Geralmente, quando a expectativa de aumento dos preços sobe a tendência do BC é aumentar a taxa Selic. De forma inversa, se as projeções para o IPCA caírem, a tendência é de redução dos juros.

Historicamente o BC vem mantendo a taxa Selic em patamar confortavelmente acima da inflação. Mas essa política tem se mostrado cada vez mais insustentável para a gestão da contas públicas.

A despesa com os juros da dívida do Tesouro Nacional restringe a capacidade do governo de realizar gastos que poderiam incentivar o crescimento econômico ou atender necessidades mais urgentes da população. A tendência, portanto, é que a diferença entre a taxa Selic e a inflação diminua ao longo do tempo.

O IPCA também é importante porque que corrige o valor nominal da maior parte dos títulos públicos e privados indexados à inflação disponíveis no mercado. Quando são levadas até o vencimento, as aplicações indexadas à inflação rendem a variação do IPCA no período mais a taxa de juros contratada.

Hoje, o investimento numa Nota do Tesouro Nacional – série B (NTNB) com vencimento em agosto de 2024 garante remuneração de inflação mais cerca de 5,5% ao ano. O juro real desse título é maior do que a atual diferença entre a taxa Selic e a projeção de inflação para os próximos 12 meses.

Numa perspectiva otimista para a economia brasileira, o equilíbrio das contas públicas facilitaria a captação de recursos pelo governo, o que implicaria redução da taxa de juros reais. A NTNB, portanto, seria um bom investimento.

Outra possibilidade seria a compra de uma Nota do Tesouro Nacional – série F (NTNF). O papel com vencimento em janeiro de 2025 tem remuneração de aproximadamente 12% ao ano.

A diferença entre os juros da NTNF e os da NTNB, calculados de forma exponencial, é de 5,85% ao ano. No jargão do mercado brasileiro, esse saldo é chamado de inflação implícita.

Significa que a remuneração do investimento no título prefixado seria equivalente ao ganho com o título indexado se a inflação média no período fosse de 5,85% ao ano.

Caso a inflação acumulada no período seja inferior à inflação implícita, a aplicação no título prefixado é mais vantajosa. No caso de alta acentuada da inflação, o investimento indexado é melhor.

Em relação às perspectivas econômicas, a combinação de inflação controlada e taxa Selic baixa seria o melhor cenário para o investimento em títulos prefixados.

A remuneração dos investimentos atrelados à taxa Selic, indexados à inflação e prefixados estão alinhados aos riscos existentes no horizonte previsível. Quanto maior o risco, maior o retorno potencial.

Uma forma eficiente que o investidor possui para enfrentar as incertezas é a diversificação. No caso dos títulos de renda fixa, um bom parâmetro é dado pelo índice IMA Geral, calculado pela Anbima, a associação das instituições financeiras.

Os papéis atrelados à taxa Selic ou com vencimento em até sete meses representam 45% do montante financeiro. As aplicações indexadas ao IPCA e prefixadas dividem em partes praticamente iguais os 55% restantes.

Temas econômicos das eleições impactam investimentos

Os principais temas econômicos das eleições deste ano são as ações necessárias para a retomada do crescimento, as formas para manter os negócios no Brasil atrativos junto aos investidores estrangeiros e os passos previstos para equilibrar as contas públicas com o objetivo de reduzir a dívida interna.

Se houver consenso da sociedade de como enfrentar esses três problemas, o impacto para os ativos financeiros será positivo. A tendência para o longo prazo será de alta da bolsa, queda do dólar e redução das taxas de juros.

A retomada do crescimento é fundamental para a diminuição do desemprego, aumento dos salários e elevação dos lucros das companhias. O maior dinamismo do mercado tende a gerar mais oportunidades de empreendimentos, elevação do volume das operações de crédito e novos investimentos.

A inserção do Brasil no mercado de capitais internacional, por sua vez, é importante para o aumento da produtividade. Economias não conectadas aos setores de ponta dos negócios globais tendem a ficar estagnadas.

E o controle das contas públicas é essencial para reduzir a parcela do orçamento que é gasta com o serviço da dívida. Com folga de caixa é possível reduzir os juros e planejar o direcionamento de recursos para serviços públicos e investimentos estatais.

Entretanto, no atual momento da campanha eleitoral, ainda estamos longe de encontrar a melhor forma de atuação para a resolução dos gargalos. Se a incerteza continuar, o potencial de valorização dos ativos continuará limitado.

arteProtecao

A consequência desta incerteza é o reverso da valorização esperada dos ativos financeiros, caso houvesse a determinação política para enfrentar os problemas econômicos do país.

De abril a agosto deste ano, o dólar subiu mais de 20% em relação ao real, a bolsa caiu quase 10% e o IMA-Geral, indicador que mede a rentabilidade de uma carteira diversificada de títulos públicos, rendeu menos de 20% da variação do Certificado de Depósitos Interfinanceiros (CDI).

A reação mais visível dos investidores no setor de fundos de investimento tem sido o aumento da procura por carteiras cambiais ou com aplicações no exterior.

O patrimônio líquido dos fundos cambiais, de aproximadamente R$ 5 bilhões, é relativamente modesto em relação ao total de R$ 4 trilhões do setor. Entretanto, o crescimento dos últimos meses do segmento tem sido expressivo.

Considerando apenas os fundos destinados aos investidores de varejo e de alta renda, entre abril e agosto houve incremento de 70% da quantidade de cotistas. Mais de 12 mil pessoas decidiram aplicar nas carteiras disponíveis nos bancos e plataformas de investimento.

O volume alocado nos fundos cambiais no período foi de aproximadamente R$ 1 bilhão, o que representa aumento expressivo em relação ao patrimônio atual.

Também relevante é o crescimento dos fundos das categorias multimercado e ações com investimento no exterior. Apesar de regulamentadas há algum tempo, o volume de aplicações em ativos negociados no mercado internacional a partir de carteiras constituídas no Brasil não era relevante.

O motivo para tanto eram as melhores oportunidades no mercado local em relação ao global. A diferença de juros entre o Brasil e o exterior era grande e as incertezas em relação ao crescimento das economias desenvolvidas desestimulava os investimentos em ativos de renda variável.

O cenário foi mudando gradualmente e hoje a confiança na solidez das principais economias do mundo é sensivelmente maior do que era há alguns anos. Adicionalmente, a recessão no Brasil derrubou as taxas de juros e a inflação, reduzindo a diferença da remuneração da renda fixa.

Segundo dados da Anbima, as carteiras multimercado e ações com investimento no exterior somam patrimônio de R$ 400 bilhões. Isso não significa que todo esse volume está investido fora do país, já que os administradores podem adotar a estratégia de classificar as carteiras dessa forma para aproveitarem eventuais oportunidades que apareçam.

De acordo com os dados da Morningstar, existem 1.939 fundos multimercado e ações com investimento no exterior. Desses, apenas 72 possuem mais de 50 cotistas e estão efetivamente disponíveis para investimentos de qualquer pessoa. O restante são carteiras exclusivas, algumas com volumes expressivos.

Ao contrário da última eleição presidencial, hoje existe mais incerteza em relação aos mercados emergentes do que aos desenvolvidos. Desde abril as ações nos Estados Unidos valorizaram 9%, os mercados globais subiram 6%, os emergentes recuaram 7% e o Brasil caiu 25%. Os índices são em dólares.

É importante encontrarmos nosso rumo para a economia.

Um passo além da “arquitetura aberta”

A possibilidade de o cliente de um banco comprar fundos de investimento sob gestão de um concorrente é chamada de “arquitetura aberta”. No mercado brasileiro, essa estrutura é um sucesso entre as carteiras classificadas na categoria multimercado.

Atualmente, a soma do patrimônio líquido dos fundos de investimento administrados por gestores independentes que são distribuídos pelos bancos de varejo já é maior do que o montante alocado nos fundos de ações sob gestão daquelas instituições.

Essa marca é significativa. Isso porque, de uma forma geral, os bancos de varejo preferem oferecer produtos mais simples em suas redes de distribuição.

Se o cliente tem interesse em arriscar mais para tentar conseguir maior retorno, tradicionalmente existiam duas opções nos bancos de varejo. Ou os fundos de ações indexados a algum indicador do mercado ou as carteiras compostas apenas por uma ação, como Petrobras ou Vale.

ArteArquitetura

A premissa por trás dessa estratégia de distribuição é a crença de que é mais simples explicar aos investidores as oscilações inerentes às aplicações mais agressivas se o fundo estiver atrelado a algum índice. Por exemplo, quando o investimento sobe ou cai na mesma proporção que o Ibovespa.

Como as variações dos indicadores de mercado são largamente noticiadas e avaliadas, o investidor pode contar com diversas análises de diferentes fontes para se sentir mais confortável com a aplicação. Esse é um fator que minimiza eventuais danos à reputação do banco.

A instituição quer evitar a imagem de que a recomendação para investir em determinado produto acabou levando o cliente a amargar perdas. Para minimizar esse risco, a solução conservadora é oferecer apenas aplicações indexadas.

Os gestores independentes, por sua vez, são empresas especializadas na administração recursos de clientes que demandam um estilo de gestão sofisticado e mais arriscado. Geralmente oferecem poucos fundos que, devido às características, são classificados nas categorias multimercado ou ações livre.

As carteiras podem investir em praticamente qualquer ativo, sem limites de alavancagem com relação à atuação nos mercado de derivativos e pouca restrição ao risco. Os limites de perdas são estabelecidos e alterados pelo próprio gestor.

Assim, o investimento pode ter boa rentabilidade mesmo quando os principais indicadores de mercado registram quedas. Ou exatamente o contrário, o que gera desconforto e prejuízos aos investidores.

Segundo dados da Anbima, a associação que representa as entidades do setor financeiro, o volume total de recursos aplicados em fundos de investimento no país alcança atualmente aproximados R$ 4 trilhões.

Nos rankings de administradores e de gestores de fundos de investimento elaborados pela associação, as cinco primeiras posições são ocupadas por Banco do Brasil (BB), Itaú Unibanco, Bradesco, Caixa e Santander. Somados, representam mais de 60% do patrimônio total do mercado.

A explicação para essa destacada liderança decorre, fundamentalmente, da capacidade de distribuição. A ampla rede de agências e a enorme gama de produtos e serviços oferecidos é uma vantagem competitiva.

De acordo com as informações do sistema Morningstar Direct, o volume total de recursos investidos nos fundos de investimento com mais de 250 cotistas dessas cinco instituições acumula cerca de R$ 1 trilhão.

Essa amostra captura as alternativas efetivamente disponíveis para os investidores, deixando de lado as carteiras destinadas aos grandes investidores institucionais.

Desse total, 90% do montante está aplicado em fundos de renda fixa, 8% em fundos multimercado e 2% em fundos de ações.

Praticamente a totalidade dos recursos investidos nas categorias renda fixa e ações é administrada pela gestora do próprio banco.

Mas na parcela de fundos multimercado, as carteiras com gestão da subsidiária do banco representam apenas 31% do total. Os fundos espelho, veículos que aplicam em outros fundos sob responsabilidade de gestores independentes, representam 21% do montante, os fundos multigestores, que investem de forma diversificada em várias carteiras de gestores independentes, somam o equivalente a 42% e 6% são carteiras que espelham fundos que investem no exterior.

O maior patrimônio das carteiras multimercado multigestores parece indicar que, mais importante do que o acesso a bons fundos por meio de uma “arquitetura aberta”, os investidores começam a demandar alternativas mais específicas, na forma de soluções estruturadas.

A conclusão é que um bom método para seleção de fundos é fundamental para atender a demanda dos clientes.