Desafios para educação financeira no Brasil ainda são grandes

A educação financeira é fundamental para o desenvolvimento pessoal e o progresso econômico do país. Na medida em que aprendemos o valor do dinheiro no tempo, somos capazes de tomar decisões mais embasadas e que levam a maior satisfação no longo prazo. Conjuntamente, as escolhas financeiras individuais terminam por impactar o bem estar de toda a população.

Opções tais como consumir hoje, poupar para o futuro, assumir um endividamento com prazo determinado e estratégia clara para a quitação, estabelecer um plano de investimentos com objetivos específicos ou administrar um negócio ficam mais fáceis de serem avaliadas se o conhecimento financeiro for alto.

A prática, no entanto, revela que a transmissão de conhecimento financeiro não é tarefa simples. Alguns programas de educação financeira acabam sendo mais bem sucedidos do que outros.

O assunto foi tema do seminário Novas Tendências em Educação Financeira e da conferência Ciências Comportamentais e Educação do Investidor. Os eventos foram realizados entre os dias 12 e 14 de novembro em São Paulo e contaram com a organização da Comissão de Valores Mobiliários (CVM) em parceria com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Um dos motivos para um programa de educação financeira não atingir o resultado esperado é a desconexão com o público alvo. Por exemplo, ao não levar em conta a variabilidade das receitas daquela população que se deseja impactar.

O assunto foi abordado pelo professor Jonathan Morduch, autor do livro “The financial diaries” (“Os diários financeiros”, numa tradução livre). A obra de Morduch é resultado do acompanhamento financeiro semanal de um grupo de 235 famílias americanas com renda anual pouco acima da linha da pobreza. Esse público é representativo de uma parcela significativa da sociedade.

A motivação para a pesquisa foi a sensibilidade de que, apesar de a renda anual de muitas famílias ser suficiente para oferecer um padrão de vida minimamente confortável para os parâmetros americanos, a variabilidade dos ganhos no mês a mês acarretava impactos relevantes.

Nessa linha, os aconselhamentos tradicionais de que é preciso poupar parte da receita para os momentos difíceis e separar outro tanto para a aposentadoria são sugestões pouco factíveis para esse público.

Ao longo do período de um ano, uma parcela do superávit orçamentário conseguida nos meses bons é necessariamente consumida nos meses ruins. A gestão financeira das contas da família se torna muito mais complexa.

A situação exige sólidos fundamentos de administração do capital de giro, liquidez dos investimentos e gestão de passivos. Além de um bom relacionamento com as instituições financeiras.

Como essa sofisticação é difícil de atingir, o estudo de Morduch buscou entender e tentar generalizar as alternativas usadas por esse público. As conclusões podem servir de embasamento para as políticas públicas.

A realidade brasileira é semelhante. Alexandre Comin, do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), destacou no seminário a sazonalidade dos pequenos negócios. E as dificuldades que os empreendedores têm com as inovações financeiras.

Muitas vezes, com a expectativa de melhorar o fluxo de caixa, pequenos comerciantes acabam assumindo endividamento muito oneroso devido à facilidade para antecipar os recebíveis. Isso pode acabar se refletindo no descontrole das contas e causar inadimplência.

A Plano CDE, empresa brasileira especializada em pesquisa e avaliação de impacto nas famílias nas famílias das classes C, D e E do Brasil, também abordou o assunto com um estudo parecido com o de Morduch. Em parceria com a Fundación Capital, um empreendimento social, e o Guia Bolso, uma startup financeira, fez uma espécie de diário financeiro digital identificando o perfil financeiro das famílias das classes mais baixas.

Entre as principais constatações está a observação de que as famílias possuem múltiplas fontes de renda e que essas receitas são variáveis. Como consequência dessa dinâmica, aparecem conflitos entre o orçamento de casa e as despesas individuais.

Os gastos em espécie são proporcionalmente maiores do que os das famílias de maior renda e existe uma desconfiança generalizada no sistema financeiro. De uma forma geral, as famílias das classes C, D e E preferem manusear o dinheiro do que efetuar transações eletrônicas por meio de aplicativos.

É fundamental que os programas de educação financeira atuem em linha com os valores e objetivos de cada parcela da população.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s