Um ano em que até as estrelas tiveram perdas

Os rankings de fundos de investimento privilegiam a consistência. Afinal, ao delegar seus recursos a um gestor profissional, o que o investidor mais deseja é ganhar sempre, independentemente das condições de mercado.

A esperança é que os administradores de carteira tenham habilidade para identificar oportunidades de lucro nos mais diversos cenários. Se não for possível acertar todas as apostas, que pelo menos consigam evitar perdas nos momentos difíceis.

O ano de 2013 foi um duro teste. Mesmo os fundos mais bem avaliados pela Standard & Poor’s (S&P) amargaram períodos com prejuízos relevantes em certos momentos.

A avaliação das carteiras é feita com exclusividade para o Valor. A relação completa com os melhores fundos foi publicada em caderno especial na edição de 10 de dezembro. Os critérios de classificação premiam a previsibilidade do desempenho.

Fundos que atingiram a maior relação entre retorno e risco em determinado intervalo de tempo recebem a qualificação de cinco estrelas. Carteiras com comportamento equivalente à média do setor ganham três estrelas. Se o retorno for muito baixo ou a oscilação da rentabilidade muito alta, a nota máxima é de apenas duas estrelas.

Para o investidor, o ranking oferece um instrumento para comparar, de maneira simples, as alternativas disponíveis. Com a ressalva de que, como em toda simplificação, alguns detalhes podem não ser integralmente computados na avaliação.

A despeito de eventuais críticas aos critérios da metodologia, a análise mais detalhada do desempenho dos fundos premiados neste ano evidencia os efeitos das turbulências enfrentadas pelos investidores. E pode ser um sinal de alerta para o padrão das oscilações das aplicações financeiras daqui para frente.

Uma medida para dimensionar o risco do investimento é dada pela perda máxima verificada em determinado intervalo. Além disso, depois do prejuízo contabilizado, interessa saber quanto tempo demorou até que o investimento voltasse ao terreno positivo.

Aplicações pouco arriscadas tendem a proporcionar perdas pequenas e recuperação rápida. Em contrapartida, o padrão das modalidades com risco elevado envolve diversos períodos com prejuízos altos e recuperação demorada.

Para o investidor que não conta com a calma necessária para esperar pela recuperação dos mercados, que tenha perdido a confiança no gestor ou que, simplesmente, precisa sacar os recursos imediatamente, perdas momentâneas elevadas podem significar prejuízos definitivos. Por isso, os gestores se esforçam para evitar perdas das cotas.

Nos fundos de investimento, uma estratégia para amortecer possíveis perdas com apostas erradas é concentrar a carteira em papéis atrelados aos juros de curto prazo. Essa maneira de gerir a carteira é eficaz quando a taxa Selic é alta.

Os juros elevados garantem um colchão para a rentabilidade mínima da carteira. Mesmo se alguns investimentos mais arriscados não proporcionarem o retorno esperado, as perdas não serão suficientes para afetar de modo significativo o desempenho da carteira global.

Estratégias desse tipo foram aprimoradas pelos administradores de recursos brasileiros. E, também, sempre garantiram ótima posição nos rankings que premiam a relação entre retorno e risco, tal como o elaborado pela S&P.

O juro baixo na primeira metade de 2013, no entanto, obrigou os gestores a adaptar as posições para tentar obter melhores resultados. Alongamento do prazo das aplicações, apostas em operações estruturadas e investimentos em ativos negociados no exterior são exemplos de transações que passaram a fazer parte do arsenal dos gestores locais.

A consequência foi o aumento do risco. Dos dez fundos com cinco estrelas mais rentáveis no ano até o dia 11 de dezembro de 2013, todos registraram algum período de perdas. É um fato raro comparando com os rankings anteriores.

Foram consideradas, nesse levantamento específico, apenas as carteiras potencialmente acessíveis aos investidores, com mais de 100 cotistas e patrimônio acima de R$ 100 milhões. Todas conseguiram superar a variação da taxa Selic no período, que foi de 7,70%.

As maiores perdas foram registradas pelos fundos de ações. Mas mesmo os fundos multimercados mais conservadores tiveram algum período com prejuízo. Todos os dez fundos conseguiram voltar ao terreno positivo após sofrerem as quedas.

Daqui para frente, a tendência é que os juros sejam menores do que foram no passado, mesmo com as turbulências visíveis no horizonte. Assim, inevitavelmente, para aumentar os ganhos, os investidores terão que arriscar mais.

Em um mercado instável e com muita incerteza, a saída é dedicar tempo para conhecer a estratégia de cada gestor e avaliar constantemente o desempenho do fundo.

One thought on “Um ano em que até as estrelas tiveram perdas

  1. Boa abordagem Marcelo. Gostaria de aproveitar para sugerir que retirem da análise fundos indexados a uma única empresa, como é o caso do BB Ações Cielo e Bradesco FIA Cielo. A comparação não é adequada e pode confundir o investidor leigo.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s