Definição do cenário para os investimentos

O clima de desconfiança dos investidores para com o governo Dilma encontra justificativa no desempenho dos principais indicadores financeiros. Desde o início do mandato, em 1º de janeiro de 2011, a variação cambial superou a rentabilidade média dos títulos de renda fixa e o Ibovespa acumulou queda de 30% no período.

Nos últimos três anos, ganhou quem tomou recursos em reais para aplicar no exterior, apostando na alta do dólar, além de manter posição vendida nas ações das principais companhias brasileiras. O oposto das estratégias que proporcionaram lucros generosos durante governos anteriores.

Até mesmo o trunfo de conseguir reduzir a taxa Selic para os menores patamares da história recente parece ter ficado para trás. Depois de atingir a mínima de 7,25% ao ano entre outubro de 2012 e abril de 2013, a alta da inflação forçou o Banco Central a voltar a subir os juros para os atuais 10,50% ao ano.

Em termos anualizados, a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) nos últimos três anos está um ponto percentual acima da média obtida no governo anterior. Até o fim de 2014, as previsões são de novos aumentos dos juros para combater a inflação e a Selic poderá atingir 10,75% ao ano, segundo o Boletim Focus.

É nesse clima ruim que a presidente Dilma fará um pronunciamento no Fórum Econômico Mundial em Davos, na sexta-feira, 24 de janeiro. Pode ser um bom momento para o governo deixar mais claro as ações que pretende adotar para tentar ajustar os rumos da economia.

Se o discurso encontrar respaldo junto aos investidores, a consequência esperada é a perspectiva de melhora da rentabilidade dos ativos financeiros. Ou, pelo menos, se houver indicações mais claras sobre a política econômica, as eventuais oportunidades podem ficar mais claras.

Desemprego baixo e reservas internacionais na casa dos US$ 370 bilhões não garantem mais o dinamismo da economia brasileira e nem impedem a tendência de desvalorização do real. Há sinais de esgotamento do crescimento amparado no estímulo ao consumo, mas não estão claras as alternativas que podem ser adotadas.

A aposta na desoneração fiscal seletiva, restrita a alguns setores, não funcionou do modo esperado. E o estímulo para atrair nova rodada de investimentos em infraestrutura continua em ritmo mais lento do que o inicialmente imaginado.

Esse tem sido o difícil cenário para a tomada de decisões dos aplicadores. O antídoto para não ser contaminado pelo pessimismo é estabelecer uma sólida estratégia e seguir os planos traçados.

Para investir os recursos poupados para a aposentadoria, por exemplo, muitas vezes as alternativas de longo prazo, mesmo mais arriscadas, podem ser as melhores opções e produzir os maiores resultados. As flutuações do preço dos ativos podem proporcionar boas oportunidades de compra e aumentar a rentabilidade ao longo do tempo.

Se o investidor tiver o hábito de acompanhar o comportamento das cotações, pode garimpar barganhas para a carteira de previdência.

Já para os recursos que possuem grande probabilidade de serem usados no curto prazo, a melhor alternativa é enfatizar a segurança, mesmo que o retorno seja mais baixo. As operações indexadas ao rendimento do certificado de depósito interfinanceiro (CDI) ou à taxa Selic, na forma de certificados de depósitos bancários (CDB), fundos DI ou Letras Financeiras do Tesouro (LFT), são as opções mais populares e tradicionais.

Como o mercado financeiro é dinâmico, é importante ficar sempre atento às novas modalidades disponíveis. Papéis de renda fixa isentos de Imposto de Renda (IR), operações estruturadas, títulos prefixados, investimentos no exterior e fundos com gestão ativa devem fazer parte do leque de opções.

Mesmo que a exata compreensão do funcionamento desses investimentos seja difícil, o esforço para entender detalhes operacionais pode compensar. Dependendo da combinação dos ativos e dos objetivos das aplicações, a rentabilidade geral da carteira pode aumentar e o risco diminuir.

Nos últimos anos, as aplicações no exterior ficaram mais populares, assim como uma maior diversidade de títulos de renda fixa e ações de empresas menos conhecidas. E os investidores descobriram, também, que a isenção fiscal sobre rendimentos vai além dos fundos de previdência.

Mas é fundamental manter o controle e evitar modalidades desconhecidas ou pouco regulamentadas.

A recomendação, para esses casos, é evitar a ganância e desconfiar de propostas de investimento mirabolantes. Invariavelmente darão prejuízo em algum momento.

Realisticamente, apesar de todas as expectativas otimistas, a primeira participação em três anos do Brasil no Fórum Econômico Mundial pode ajudar a esclarecer dúvidas, mas não vai resolver o problema com o cenário atual.

Um pensamento sobre “Definição do cenário para os investimentos

Deixe uma Resposta para Kleber Rebouças Cancelar resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s